O deputado federal Vanderlei Macris tomou posse nesta terça-feira (17) como presidente da Frente Parlamentar da Indústria de Máquinas e Equipamentos (FPMaq) do Congresso Nacional. A cerimônia, realizada no Salão Nobre da Câmara dos Deputados, contou com a presença do secretário de Desenvolvimento da Competitividade Industrial do Ministério da Indústria, Igor Calvet, do secretário do BNDES, Victor Burns, e do presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), deputado Cauê Macris.

Em seu discurso, Macris destacou que a função é de grande relevância, porque “não existe no mundo país desenvolvido ou emergente que não tenha uma indústria de máquinas forte e competitiva”.

O novo presidente destacou que o Brasil errou, ao deixar de lado o investimento na produção e na tecnologia. Segundo ele, os países asiáticos se despontaram justamente por terem foco na indústria de máquinas e equipamentos. "O Japão se tornou uma nação de primeiro mundo utilizando essa estratégia. A Coreia do Sul é um país desenvolvido com base no mesmo modelo industrial, e, atualmente, é referência. A China, como sabemos, se estabeleceu como nação altamente produtiva e de admirável força na exportação”, disse.

No ano de 2004, 60% das máquinas em operação no Brasil eram produzidas nacionalmente. Uma década depois, em 2014, o percentual foi reduzido para menos da metade, apenas 29%. No entanto, o setor ainda tem grande importância na economia. As 7,5 mil empresas do país faturaram, em 2017, cerca de R$ 67 bilhões, dos quais 40% foram comercializados com o mercado internacional, especialmente com os Estados Unidos e Europa - 50%.

Macris considera que o setor de máquinas e equipamentos é a indústria estruturante, pois equipa e abastece todos os demais setores produtivos.

“Temos muito que fazer para reverter o quadro que estamos. E essa é a nossa função na Frente Parlamentar da Indústria de Máquinas e Equipamentos: fortalecer o setor como um segmento de grande importância para a economia.”

João Marchesan, presidente da Associação da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), informou que o setor representava 20% do PIB nacional em 2013. Agora, quatro anos depois, corresponde por 10%. "Uma participação menor do que tínhamos há 70 anos. No entanto, respondendo pelos mesmos 30% de todos os impostos arrecadados", disse.

O presidente da Alesp, Cauê Macris, parabenizou Vanderlei pela pelo cargo. "É um grande desafio, mas não tenho dúvidas do comprometimento do meu pai com a causa, bem como em toda a sua vida pública. A Indústria é fundamental no desenvolvimento do país e é preciso que o parlamento nacional esteja alinhado com as demandas do setor, que é muito forte em São Paulo, inclusive."

Nova diretoria da FPMaq

A Frente Parlamentar da Indústria de Máquinas e Equipamentos, que é Mista – Câmara e Senado –, é formada por 207 deputados e 16 senadores. A nova diretoria da FPMaq também é composta pelo deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), como vice-presidente; deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), secretário-geral; deputado Mauro Pereira (PMDB-RS), 1º secretário; Valdir Colato (PMDB-SC), coordenador-geral, entre outros.

Também participaram da cerimônia o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção (Abit), Fernando Pimentel, e de representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores - Sindipeças.