Líderes da oposição e dos movimentos sociais se reuniram nesta terça-feira (1) para debater a as manifestações do dia 13 de março contra as irregularidades do governo Dilma. O deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP) explica ser importante a interação entre os grupos sociais e os representantes do povo. “O impeachment é a vontade da maioria da sociedade e todos precisam unir as forças para que o afastamento da presidente realmente aconteça”, destacou o parlamentar.

Para o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antonio Imbassahy (BA), é importante que os brasileiros tomem as ruas e mostrem sua indignação com a crise provocada pela gestão do PT, que acarretou em grande desemprego e forte inflação.

Imbassahy lembra que o processo de impeachment de Dilma, que está pendente de resposta do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o rito, tem o respaldo da sociedade, que precisa demonstrar isso nas ruas. Ele lembra ainda que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) analisa ações protocoladas pelo PSDB contra a presidente e seu vice, Michel Temer (PMDB-SP), por irregularidades na campanha. “Portanto hoje foi um dia importante, histórico, quando as principais lideranças de oposição se reuniram com os principais movimentos sociais que estão fazendo a mobilização de rua para definir um planejamento e uma programação”, destacou o tucano.

Macris informou que cerca de 70% dos brasileiros pedem a cassação da presidente Dilma, enquanto um percentual ainda maior reprova o governo da petista. “Noventa por cento dos brasileiros rejeitam este desgoverno. A mobilização do dia 13 não é golpe, é o desejo da grande maioria da população que não tolera mais a mentira, o desemprego, a inflação e tanta corrupção”, considerou.

Pesquisa Datafolha divulgada no final de semana mostrou que 60% dos entrevistados afirmam que a Câmara deveria aprovar o impeachment. Já 58% acreditam que Dilma deveria renunciar ao mandato de presidente da República.

Participaram do encontro desta terça os representantes dos movimentos “Vem pra Rua” e “Brasil Livre” e, além dos deputados Macris e Imbassahy, os senadores Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, Aloysio Nunes (PSDB-SP), Ricardo Ferraço (ES) - que se assinou sua filiação ao PSDB nesta manhã, Ronaldo Caiado (DEM-GO), José Agripino (DEM-RN), líder da Oposição no Senado, Alvaro Dias (PV-PR), e os deputados Rubens Bueno (PR), líder do PPS na Câmara, Mendonça Filho (DEM-PE), Darcísio Perondi (PMDB-RS), entre outros.

(Com informações do PSDB na Câmara - Fotos: Alexssandro Loyola)