A Comissão Especial que analisa o Projeto de Lei da Reoneração da Folha de Pagamentos (PL 8456/2017) realizou audiência pública com os representantes da indústria nesta terça-feira (21) na Câmara dos Deputados. Para o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), as empresas brasileiras perdem competitividade por conta das taxações.

O presidente Executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), José Velloso, enfatizou que, com a renúncia do setor em função da mudança da base de cálculo do INSS Patronal o governo Federal deixou de recolher R$ 540 milhões, mas a taxação adicional de Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) Importação gerou arrecadação de R$ 731 milhões e garantidas de postos de trabalho. “Com a reoneração o governo perderia uma receita de mais de R$ 190 milhões e muitos empregos”, disse.

Velloso ainda lembrou que o Brasil ainda não retomou o investimento. “O crescimento que a economia vai ter esse ano, em torno de 0,5% do PIB, e o crescimento que está projetado para o próximo ano, ambos são em cima do aumento do consumo. E o investimento continua caindo no país”, apontou. Em 2016 o investimento declinou, sendo de apenas 16% do PIB. A projeção para este ano é ainda pior, de 15%.

Fernando Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), considerou que não dá para “mudar as regras do jogo ao longo do campeonato”. “Infelizmente nós temos os piores rankings de competitividade atrelada à função governo. O que não deveria acontecer, porque temos todo o ferramental para sermos um país com muito mais capacidade para competir mundialmente”, disse.

Na avaliação do deputado Vanderlei Macris, as companhias brasileiras se desgastam excessivamente em articulações que não acarretam em valor agregado ao produto final. “As empresas precisam gastar menos tempo nessa lógica do sistema tributário e se dedicar mais na qualidade das suas produções”. Para o parlamentar, o governo deve assegurar a valorização das empresas, o que promoveria o emprego e a economia do País.